Análise aponta perfil dos óbitos por dengue no RS em 2024

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) publicou nesta quinta-feira (18/04)

Análise aponta perfil dos óbitos por dengue no RS em 2024
A Secretaria Estadual da Saúde (SES) publicou nesta quinta-feira (18/04) uma nota informativa trazendo o perfil dos óbitos por dengue no Rio Grande do Sul. Os dados, compilados pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), apontam recomendações à população e aos profissionais de saúde sobre uma maior atenção aos sintomas e ao tratamento previsto nos protocolos.
Foram utilizadas na análise as notificações dos primeiros 73 óbitos pela doença no ano, número esse que já foi atualizado na quarta-feira (17/04) para 78. “A avaliação desses 73 óbitos, que já é inédito, o maior número de óbitos no mesmo ano que nós tivemos, já ultrapassando 2022, que foram 66, mostrou a questão da importância da idade: os nossos óbitos acontecem mais na população acima de 60 anos, como um fator biológico importante”, apontou o diretor adjunto do Cevs, Marcelo Vallandro. Entre as mortes descritas na avaliação, 73% delas ocorreram entre pessoas com 60 anos ou mais.
Quanto aos sintomas mais frequentes entre os óbitos estão a febre (62%), dor muscular (58%), dor de cabeça (43%) e náuseas (43%). As doenças preexistentes mais relatadas foram hipertensão (56%), diabetes (18%), cardiopatia (18%) e doença pulmonar obstrutiva crônica (16%). Não houve relato de comorbidade em 16% dos casos de morte. “A busca tardia por atendimento e o manejo não totalmente adequado em relação aos protocolos feitos nas unidades de saúde também são fatores relevantes para esses desfechos”, relata o Vallandro.
Sinais de alarme
A nota informativa também descreve quais são os principais sinais de alerta da doença, ou seja, aqueles quadros que indicam que a doença está ficando mais grave, estando a pessoa já internada ou não.
Entre os óbitos, os mais comuns foram a plaquetopenia (diminuição do número de plaquetas no sangue) e a hipotensão postural e ou lipotimia (sensação de tontura, decaimento, desmaio), presentes em 53% e 47%. Também foram apontados no relato dor abdominal intensa (34%) e letargia ou irritabilidade (32%).
Para os casos que evoluíram para dengue grave, os sinais e sintomas mais frequentes foram pulso débil ou indetectável (49%), extremidades frias (48%), taquicardia (42%) e hipotensão arterial (42%). A dengue grave é caracterizada pelos quadros que apresentam choque ou desconforto respiratório em função do extravasamento grave de plasma, sangramento grave, ou comprometimento grave de órgãos como dano hepático importante, do sistema nervoso central (alteração da consciência), do coração (miocardite) e de outros órgãos.
Atendimento
A análise demonstra que os pacientes procuram em média, ao menos, duas vezes por atendimento até a internação ou suspeição de dengue. Esses pacientes demoram em média 2,6 dias após o início dos sintomas para procurar o primeiro atendimento e, após, cerca de 4,4 dias até ocorrer a hospitalização. Os óbitos acontecem em média 8,3 dias após o início dos primeiros sintomas.
Entre as pessoas que vieram a óbito, 50 (dos 73 óbitos) buscaram o primeiro atendimento em hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).
Fatores
Os seguintes fatores foram identificados como causas que podem levar ao óbito por dengue: o não reconhecimento dos sinais de alarme pela população e pelos profissionais de saúde, procura tardia do paciente pelo serviço de saúde, manejo clínico inadequado, procura por várias vezes aos serviços de saúde, dificuldade de acesso, hidratação inadequada ou insuficiente, ausência da classificação de risco para dengue (conforme fluxograma estabelecido pelo Ministério da Saúde), não realização de hemograma ou em número abaixo do indicado na classificação de risco, resultados de hemogramas em tempo inoportuno para auxiliar no manejo e reclassificação do paciente ou o paciente ser liberado antes da liberação do resultado. “Todos esses fatores não são exclusivos do Rio Grande do Sul, sendo também elencados como fatores possíveis de óbito em todos os estados brasileiros conforme publicado recentemente pelo Ministério da Saúde”, destaca Marcelo Vallandro, citando a Nota Técnica Nº 20.2024/SVSA/MS.
Observa-se, ainda, que a análise dos sinais e sintomas manifestados pelos usuários que tiveram o óbito como desfecho são, em sua maioria, sintomas que em outros agravos não teriam a importância de serem indicativo de risco ou gravidade. “Portanto, os usuários com suspeita de dengue exigem dos profissionais uma sensibilidade maior a fim de que sejam devidamente avaliados, mesmo com sinais e sintomas que, se não fosse a suspeita de dengue, não necessariamente seriam indicativos de intervenção precoce”, destaca o texto da nota do Cevs.
O documento acrescenta ainda que, embora a dengue esteja presente no RS desde 2007, ela é pouco conhecida por muitos profissionais de saúde em relação ao manejo clínico de casos graves. “Ainda que o Estado sempre tenha tido casos, esses sempre foram números pouco significativos e eram raros os casos graves. A dengue tem um curso muito agudo e o agravamento, quando ocorre, acontece muito rapidamente. O conhecimento dos profissionais quanto ao diagnóstico e ao manejo clínico oportuno impactam na evolução dos casos”, frisa a análise da SES.
Diante desses dados, orienta-se que os gestores municipais organizem seus fluxos dentro dos serviços de saúde, capacitem todos seus profissionais da área assistencial, disponibilizem exames indiretos (como hemograma) em tempo oportuno e quantidade adequada nos serviços de saúde, e que comuniquem a sua população, de forma clara e repetidamente, sobre o risco, sintomas, sinais de alarme, hidratação vigorosa e demais orientações sobre a dengue.
Ações de apoio
Em março deste ano o Governo do Estado, por meio da SES, anunciou iniciativas para reforçar o atendimento a pacientes suspeitos de dengue que procuram serviços da Atenção Primária. Um painel online passou a estar disponível como suporte aos profissionais de saúde. Além disso, profissionais de enfermagem passam a ficar autorizados a requisitarem exames, principalmente hemogramas, nos casos suspeitos da doença.
A plataforma para manejo clínico de casos permite a identificação do estado de saúde e tratamento de cada paciente através de características, sinais e sintomas. Pela internet (em dengue.saude.rs.gov.br/manejoclinico), é possível verificar se o caso se enquadra na classificação de risco. A aplicação indica então o tratamento adequado para evitar o agravamento do estado de saúde, evitando o risco de óbito.
Em outra iniciativa, foi assinada uma nota técnica que autoriza profissionais de enfermagem a requisitarem exames, principalmente hemogramas, nos casos suspeitos da doença.
Aos municípios, foi realizado o repasse extraordinário de R$ 13,8 milhões para implementar e reforçar as ações de vigilância e assistência no combate à dengue e outras arboviroses (chikungunya e zika). O aporte, pago em março, visava permitir aos municípios ações no reforço no atendimento aos pacientes como a aquisição de sais de reidratação oral, a realização de coleta de hemograma nas Unidades Básicas de Saúde, atendimento em horários estendidos ou alternativos e pagamento de profissionais, entre outras medidas.
Perfil dos óbitos por dengue no Rio Grande do Sul e recomendações de vigilância,
Áudio com fala do diretor adjunto do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Marcelo Vallandro, sobre a nota informativa trazendo o perfil dos óbitos por dengue no Rio Grande do Sul. Os dados apontam recomendações à população e aos profissionais de saúde sobre uma maior atenção aos sintomas e ao tratamento previsto nos protocolos.
Crédito: Divulgação/SES
Fonte: Secretaria Estadual de Saúde

Compartilhe

Análise aponta perfil dos óbitos por dengue no RS em 2024

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Veja também!

Confira outras notícias

Temperaturas se elevam antes do avanço da frente fria no RS

Temperaturas se elevam antes do avanço da frente fria no RS

Digite aqui o título da sua notícia / artigo

Descreva aqui um pequeno resumo para sua notícia. Sugestão de no máximo 140 caracteres.

Brigada Militar e Polícia Civil prendem homem por Posse Irreg...

A Brigada Militar, através do 29°BPM e a Polícia Civil, através da Draco, na terça-feira (21/5), desencadearam operação conjunta em Ijuí

Dois corpos, e perna de possíveis vítimas foram localizados n...

Seguem as buscas por desaparecidos após a catástrofe que atinge o Rio Grande do Sul, e que também deixou rastros de destruição e ceifou vidas no Vale do Taquari.

Venâncio Aires confirma morte de morador por leptospirose apó...

A Prefeitura de Venâncio Aires, cidade do Vale do Rio Pardo a 133 km de Porto Alegre, confirmou uma morte por leptospirose nesta terça-feira (21).

Governo estuda comprar imóveis de até R$ 200 mil para desabri...

O governo federal estuda comprar imóveis de até R$ 200 mil para atender a pessoas desabrigadas no Rio Grande do Sul.

Renascer FM
Av. Bento Gonçalves, 953 - 2º Piso, Centro, Campo Novo - RS
Copyright © 2024
Renascer FM
Av. Bento Gonçalves, 953 - 2º Piso, Centro, Campo Novo - RS
Copyright © 2024
Atendimento por WhatsApp
Estúdio
Rádio Renascer FM
Atendimento das 08:00 às 18:00hs de segunda a sexta.
Atendimento por WhatsApp
Estúdio
Rádio Renascer FM
Atendimento das 08:00 às 18:00hs de segunda a sexta.

Renascer FM

Copyright © 2024

Este site utiliza cookies para garantir que você tenha a melhor experiência. Ao clicar em 'ok" e continuar navegando, você concorda com a nossa política de privacidade